Em noite dedicada à cultura africana, África do Coração recebe o troféu “Lisanga Awards 2017” na categoria assistência social

 

África do Coração recebe o prêmio Lisanga Awards 2017, na categoria “assistência social”.

 

Evento de premiação a personalidades e instituições que se destacaram na atuação em prol dos imigrantes foi marcado por apresentações culturais africanas, evidenciando sua diversidade

 

Na noite desta sexta-feira (01), a África do Coração recebeu o prêmio Lisanga Awards 2017 na categoria assistência social, organizado por imigrantes e dedicado a personalidades e entidades que se destacam na atuação em prol dos irmãos expatriados. A premiação ocorreu no teatro da Galeria Olido, localizada na região central da cidade.

O termo “lisanga”, em Lingala, idioma falado principalmente no Congo e em Angola, significa “união”, evidenciando objetivo dos organizadores ao criarem o evento: promover a união comunidades africanas em torno do reconhecimento das entidades que atuam pelo bem comum dos imigrantes.

O vice-presidente da ONG, Abdulbaset Jarour recebeu o trofeu acompanhado de um certificado endereçado à África do Coração pelo trabalho prestado a imigrantes e refugiados na área da assistência social. Abdul agradeceu aos organizadores do Lisanga Awards pelo reconhecimento à África do Coração e lembrou que “o Brasil é um país formado por imigrantes e refugiados”, daí a importância de haver entidades que busquem acolher, valorizar, dar dignidade e oportunidades para eles.

Abdul recebe o troféu das mãos de Tyfs, um dos coordenadores do evento.

“Meu nome é Abdulbaset Jarour, sou árabe da Síria, de Aleppo, estou aqui representando a entidade África do Coração, ONG que trabalha para os refugiados e imigrantes, sou vice-presidente da ONG e coordenador da Copa dos Refugiados no Brasil. Estou muito feliz por estar aqui neste momento com vocês e queria agradecer o convite do Prêmio Lisanga, uma palavra que para mim vale muito, pois estamos nesse momento aqui unidos.A nossa beleza hoje é nossa diferença. Somos várias nacionalidades e lembramos que o Brasil é a casa dos imigrantes, feito por refugiados e imigrantes e a história é quem diz isso. Imagina se todos tivéssemos o mesmo rosto, mesmo cabelo, ficaria sem graça, né?”, diz Abdul.

O vice-presidente também explicou em poucas palavras como é e como atua a África do Coração:

“Nossa beleza é nossa diferença, se dar bem com o outro e se integrar. Agradeço a todos em nome da África do Coração, que é formada por mais de 20 nacionalidades. Nós refugiados e imigrantes, trabalhamos pelos refugiados e imigrantes que estão chegando nesse momento no Brasil”, encerrou.

Além da África do Coração, o Lisanga premiou também na área da assistência social, a Cáritas Arquidiciocesana de São Paulo, pela atuação de seu Centro de Referência para Refugiados, criado há 40 anos pelo cardeal e arcebispo emérito de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, falecido em dezembro do ano passado, o Centro de Apoio ao Migrante (CAMI), além de iniciativas, como o grupo “Palanca Negra”, o “African Boys”, de música gospel, o “Rádio Sucata”, grupo de artes musical que utiliza instrumentos musicais feitos a partir de materiais reciclados, que levou o prêmio na categoria criatividade, a marca de roupas africanas, “Mama Nossa Cultura”, que levou o prêmio na categoria moda e premiou também a agência de modelos Namib Pro Models, cujos modelos, femininos e masculinos desfilaram as criações da “Mama Nossa Cultura”, dentre as atrações que permearam a premiação.

Abdul também foi chamado ao palco para anunciar o prêmio da Agência Namib Pro Model, recebido por Maycon Clinton Silcha.

Abdul anuncia o prêmio da Agência Namib Pro Model, entregue a Maycon Silcha.

O evento teve também com apresentações de danças típicas e de músicos de diversas partes da África.

Marcha dos Imigrantes

Cartaz da 11ª Marcha dos Imigrantes.

O Centro de Apoio do Migrante (CAMI), um dos homenageados da noite no evento é também o responsável pela organização da 11ª edição da Marcha dos Imigrantes, que acontece no próximo domingo (03), com concentração em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP), a partir das 14h. Os representantes da entidade reforçaram o convite a todos para participarem do ato, que este ano terá o tema: “Pelo fim da invisibilidade dos imigrantes”.

Por Sibele Martins, jornalista voluntária da ONG África do Coração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *